Silviah Carvalho
 "Sobrará culpa aonde faltar o amor... Não se culpe, Ame"
CapaCapa
TextosTextos
FotosFotos
PerfilPerfil
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos


O Poema esquecido
 
Se eu quisesse ser o mar e, se as águas que há em mim desejassem ser lagos, parando meus versos, descontinuando meu modo de ser continuamente, eu os absorveria e usaria o reverso... Seria de fato bem diferente.
No entanto descortinar a vida e o sentimento não faz sentido, quando nada se pretende, nada importa quando não existe amor, somos apenas o que de nós restou...
... Sou cachoeira quando lagrimo o perdão quando me feres, sou o poema esquecido que um dia desejarás ler...
E serei absolutamente seu tudo, quando nada mais de mim tiveres.
Buscarás palavras em minhas frases que sustente sua ávida vontade de ter-me e te sentirás perdido, ferido e não poderá mais me ver.
Pois, sou o poema abandonado em uma escrivaninha, a saudade, a melancolia o mar de águas ou de tristeza, aquela que tiras-te do teu viver.
Sou também aquela que buscou no mais profundo do peito o amor que hoje você finge não perceber.
Mas se posso meu pós-verso escrever, da forma viva que sei, cabe falar e eu confesso; não ha mais nada que eu queira dizer além de que, ainda te amo em todo verso
.
 
Silviah Carvalho
Enviado por Silviah Carvalho em 12/02/2015
Alterado em 18/02/2015

Música: immortality - celine dion

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários