Silviah Carvalho
 "Sobrará culpa aonde faltar o amor... Não se culpe, Ame"
CapaCapa
TextosTextos
FotosFotos
PerfilPerfil
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos


Esquecer e... (acréscimos)

O estoico zomba daquele que derrama lágrimas, porém não é proibido chorar...
Posso permanecer calada diante da minha própria dor, mas isso não quer dizer que não a sinto, as palavras são sempre as mesmas, as sinto como tesoura do tosquiador roçando minha carne tremula e me abato com a serie contínua de provações e só tenho o consolo de saber que tenho o direto de chorar quando e onde eu quiser.
Não se trata de meramente suportar palavras agressivas e sim do fato de recebe-las da pessoa mais amada, guardada como um cristal, afim de que nada o fira e lhe cause dor.
Vejo-me em um caminho de grande dificuldade, apertado de onde não encontro saída, cuja a situação que a razão humana nunca permitiria, se previamente consultada.
A aspereza vinda de ti deforma a lembrança sublime que tenho do teu rosto amado de tuas mãos, sei que não sou perfeita, ninguém é, todos temos nossos momentos de angustia, de alegria, dor, felicidade, e cada um demonstra à sua maneira, não pode exigir em palavras de desagravo que eu tenha a sua força, existe razão plausível para sua atitude?
Leio suas palavras e é como se eu pudesse ver sua ira, seu gosto em meu desgosto, levou para longe de mim o teu Ser e quer que saiba como viver com isso a força, não tenho os nervos de aço.
Tento olhar em outra direção dar um caminho aos meus passos, ancorar em outro porto e até aceitar outros braços, mas te tenho gravado em minha mente e em tudo a minha volta, você entrou em meu coração, não precisa testar minha memória.
Não espero uma situação ideal para uma atitude romântica numa emergência distante, não!
Não sei como caio, mas sei quem me ergue e não é você, nunca foi e talvez nunca será, você não é meu alvo, meu ídolo, meu foco, apenas amo você, como nunca amei antes, sem idolatrar-te o que deveria te alegrar, pois erramos o Alvo, os Ídolos caem e quebram, o Foco se perde diante de outra oportunidade, o Amor tudo crer, tudo suporta e permanece para sempre cheio de gratidão, é assim que te amo, longe da idolatria humana capaz de quebrar promessa de silencio.
Te chega notícias do meu amor por ti dos quatros cantos do mundo (em que vivemos) e isso não me fere ou me assusta.
Posso deixar de amar sem perder o carinho e o respeito, sei que é necessário que eu te esqueça, vou esquecer tenho lutado para vencer, vou conseguir porque não vejo nem sinto esperança alguma.
Assim como você está em meu coração sei que estou no coração de outra pessoa isso me fortalece, me faz acreditar que é possível.
Use sua paciência e sabedoria em suas palavras para não me ferir mais do que já estou, eu vou te esquecer no momento certo do meu coração, acredite pois o momento certo chegou em mais um dia que se vai onde o silencio enche a minha vida de um certo nada, que nunca finda, nunca, a questão não é a resposta é o responder o que? Inconsequente! Qual é a sua boca entre tantas que falam comigo? E onde estão os teus ouvidos entre tantos que colocas a me ouvir? Os teus olhos nos meus olhos onde estão? Queres que te responda da Eira ou do Lagar? Não posso criar nada para te saciar e suprir o teu desejo de seguir sua vida, não faço parte dela, não nasci para você, definitivamente não, não trago nenhuma culpa em mim para que me trate assim.
Segue a sua vida em paz, voe! 
 
Silviah Carvalho
Enviado por Silviah Carvalho em 26/06/2016
Alterado em 26/06/2016
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários